LARVA_TRENZINHO_Phrixothrix sp..IPBio.211056001543-2.jpg

PROJETO PHENGODIDEOS

Os trabalhos realizados com os organismos bioluminescentes na Mata Atlântica têm trazido muitos resultados positivos. O IPBio – Instituto de Pesquisas da Biodiversidade, através do Programa de Bioluminescência, está participando de mais um projeto em parceria com USP – Instituto de Química e Esalq.

Iniciamos, no final de 2018, os estudos com os coleópteros (besouros) bioluminescentes, principalmente com a família Phengodidae, representada pelas larvas trenzinho, estes animais possuem muitos fotóforos (órgãos que emitem luz) espalhados pelo corpo e na cabeça, sendo que algumas espécies tem a capacidade de emitir luz verde no corpo e vermelha na cabeça. Outra característica desta família é que algumas espécies são neotênicas, ou seja, conseguem se reproduzir no estagio larval.

Os estudos realizados pelo IPBio visam amostrar o máximo de espécies que ocorrem na Reserva Betary e PETAR, procurar novas espécies e entender melhor seu ciclo de vida e ecologia. O instituto de Química da USP e a Esalq tem interesse em identificar, caracterizar e descrever os feromônios que estes organismos liberam, e, poder entender qual é o potencial dos mesmos para aplicação na agroindústria.

LARVA_TRENZINHO_Phrixothrix sp._IPBio.IMG_4497.JPG

PHENGODIDAE Phrixothrix

LARVA_TRENZINHO_Phrixothrix sp..IPBio._IMG_4494.JPG

PHENGODIDAE Phrixothrix

lab-125x150.jpg

The Laboratory of Fungi Bioluminescence of USP Chemistry Institute

Cassius Vinicius Stevani, professor da Universidade de São Paulo, reconhecido mundialmente por sua experiência em bioluminescência fúngica, estabeleceu uma parceria com o IPBio para pesquisar cogumelos bioluminescentes no Vale do Ribeira.